Simpósio Internacional sobre Educação Inclusiva – 22/23 de Março/2019

Victor Mendonça e Selma Sueli Silva

Sempre foi nossa preocupação a Educação Inclusiva no seu aspecto prático, a possibilidade de passar informações e aplicá-las. Depois de muito pensar, resolvemos promover um Simpósio Internacional sobre Educação. O Simpósio tem data marcada, 22 e 23 de Março. E vai acontecer no Tribunal de Justiça de Minas Gerais, na Avenida Raja Gabaglia, porque o Tribunal de Justiça compreendeu que a causa é nobre, que a causa é importante, e está aí como grande parceiro da gente.

Precisamos também agradecer, do fundo de nosso coração, a parceria de uma pessoa que na nossa vida, na nossa caminhada, é muito importante: a professora Monica Rahme. Ela é da Faculdade de Educação da UFMG, e nos deu o maior apoio. E é ela que vai trazer uma especialista italiana, Lucia De Anna, para se apresentar no dia 22, sexta-feira. Neste dia a gente começa com a Lucia e com o Miguel Mahfould, que é professor de Psicologia da UFMG, como intérprete e como psicólogo, e com a professora Monica Rahme, falando sobre Autismo e Inclusão Escolar. Vamos conversar sobre isso tudo. Teremos também alunos, orientandos, do mestrado, do doutorado e do pós-doutorado, para mostrar que já tem uma galera pensando, enfronhada nisso, para transformar a realidade.

Sozinha, a gente não é ninguém, não consegue nada. Dando a maior força, temos a Monica Rahme, do projeto “Corpos Mistos”, da UFMG; o Tribunal de Justiça nos apoiando, e conseguimos também o apoio também do EPA, dos Supermercados EPA, para o coffee break.

O primeiro dia vai ter também o lançamento dos nossos livros. Victor vai lançar o livro “Neurodivergentes – Autismo na Contemporaneidade”, que é o seu TCC, uma obra jornalístico-acadêmica feita sobre a supervisão do professor pós-doutor Maurício Guilherme Silva Jr.. O lançamento terá inclusive uma apresentação musical muito bacana de Raphael Giffoni e banda, com músicas bacanas e que têm a ver com a história dos livros que serão lançados. Este “Neurodivergentes” é um projeto que Victor tem desde 2017 com o professor Maurício, com muitas pesquisas e muitas entrevistas para mostrar as questões mais atuais do autismo e as evidências científicas do autismo e da neurodiversidade, do movimento da neurodiversidade também.

Victor encomendou de Selma um livro sobre o autista adulto. Desta sugestão, surgiu “Camaleônicos – A Vida de Adultos Autistas”, onde foram feitas várias entrevistas. Victor participou ativamente do processo de produção e apuração. São retratadas e ouvidas pessoas e suas histórias, as pessoas são muito ricas em experiências, conhecimento, bagagem de vida. É um mundo que está encantando Selma. Há entrevistas com duas pessoas de Portugal, uma de Portugal, uma brasileira que mora em Portugal. Tem entrevistas com pessoas do Norte ao Sul do país. Ela vai deixar no suspense ainda quem são essas pessoas, mas ainda vai falar delas, porque está muito agradecida.

E tem também o pai do Victor, um escritor e jornalista muito conhecido, o Roberto Mendonça, que participa do projeto com a gente, e vai lançar o livro infanto-juvenil chamado “O Menino Artista”, escrito e ilustrado por ele. A gente conseguiu uma coisa inédita, porque o pai de Victor é um cara profissionalmente mais de bastidores, de bastidores no sentido de não gostar de se expor.

Está tudo muito bom, mas pode ficar melhor? Pode. No sábado pela manhã, vai ter uma mesa mediada por Selma Sueli Silva, o jovem com síndrome de Down Gabriel Camargos, e a mãe dele, a professora Beatriz Camargos. Teremos também a Mariana Rosa, que é a mãe de Alice, que tem paralisia cerebral e uma história bacana que a gente precisa conhecer, uma história muita bacana que a gente precisa acompanhar, e o Victor Mendonça.

Ainda de manhã, acontece uma roda de conversa: “Educação Inclusiva: Uma Realidade”, com a doutora Angela Mathylde, que é PHD, especialista em Neurociências e Pedagogia. Foi um presente de 2018. A gente a conheceu no Brain Connection e ficou encantado com o trabalho dela e o conhecimento dela.

Teremos também o Frederico Veloso, psicólogo, e a fono Luciana Cordeiro Felipetto. A mediação será da Maria Luísa Nogueira, que é uma amiga nossa já de algum tempo, parceira do “Mundo Asperger”, que tem um filho autista não verbal, e que inclusive está no livro “Neurodivergentes”, mas como especialista. Ela é psicóloga e professora da UFMG e uma das pessoas atuantes no LEAD, que é o laboratório de estudos sobre o autismo, e também no projeto PRAIA, junto da TO Ana Amélia. O Frederico, a Luciana, a Angela Mathylde, nós convidamos porque são pessoas que partem da teoria, mas que dão belos exemplos práticos, que vivenciam essa prática, e que não ficam numa bolha estudando a teoria. A teoria existe para a gente entender melhor e aplicá-la na prática.

À tarde, como não poderia deixar de ser, a gente vai falar sobre direito e educação. Muito importante esse tema. E aí, a gente vai ter o Luís Renato Pinheiro um defensor público que admiramos demais. Ele é pai de autista, tem uma luta bonita, é um cara empenhado, é “o cara”. Tem uma defensora pública também muito envolvida, a Fernanda Milagres e o Dr. Antônio Claret, que vocês já conhecem aqui do canal “Mundo Asperger”. Ele é o Presidente da Comissão sobre Autismo da OAB. E para fazer a intermediação, convidamos o juiz Bruno Terra Dias, que também é pai de autista. O doutor Bruno nos recomendado pelo Tribunal de Justiça exatamente pelo empenho dele nos assuntos sobre a Educação Inclusiva. A gente não vai falar só de autismo, a gente vai falar sobre Educação Inclusiva.

O evento termina no sábado com a roda de conversa “Ah, será que é possível? Será que não é possível?”, comentando casos vitoriosos sobre Educação Inclusiva, com a presença da Adriana Leister – ela é de fato uma autoridade, porque começou lá atrás na área, ainda como professora da Educação Inclusiva, e veio crescendo, crescendo, e hoje é uma referência como TO, com vasta experiência como Consultora de Educação Inclusiva. Teremos também a presença de um educador físico que chamou a atenção, o Danilo César, aquele cara que fala que todo mundo pode fazer exercício físico. Qualquer que seja a deficiência, o Danilo coloca para trabalhar o corpo. Junto da fono Juliene Firmino, que também estará nessa mesa, o Danilo mantém um projeto que chama “O Corpo Fala”, que ganhou um prêmio na cidade de Betim. A mediação tem que ser um caso vitorioso, e será do Victor Mendonça, que hoje é Consultor de Educação Inclusiva.

Educadores, profissionais da saúde, familiares, estudantes, todos estão convidados para participar do Simpósio Internacional sobre Educação Inclusiva. Para fazer a inscrição, basta clicar neste link: https://www.sympla.com.br/simposio-internacional-sobre-educacao-inclusiva—rodas-de-conversa-sobre-a-pratica-da-inclusao__423266

Nenhum Comentário

Deixe um comentário